segunda-feira, 1 de abril de 2013

SPFW 1 x 2 Corinthians: No mercy!


Papelzinho, hein, rapaz?!

Mesmo jogando em nosso eterno salão de festas, o obsoleto Ex-tádio da Vila Sônia, a bicharada até que conseguiu se impor no início da partida. Sufocando a saída de bola do Timão e empurrando-nos para o campo de defesa, durante os 25 primeiros minutos elas nos deram um bom trabalho, é verdade.
Na etapa final, contudo, era o Coringão – detentor do melhor e mais entrosado elenco das Américas – quem tinha mais garrafas vazias para vender.

Porém, fica o sinal de alerta: nosso sistema defensivo já não é o mesmo de outrora! Na verdade, está a anos-luz do ótimo nível que apresentou ano passado. Ontem, ao menos em tese, não havia a desculpa do desinteresse pelo Paulistão – afinal, clássico é clássico! – e, mesmo assim, passamos apuros.
Tanto que, com boas trocas de passe, logo aos 5 minutos as meninas apareceram com assustadora facilidade pela direita de nossa defesa. Na sequência da jogada, bola cruzada para dentro da área e um Fábio Santos que parece jogar em super slow motion: gol das gazelas.


Creio que o impropério com o qual homenageei nosso camisa 6 pôde ser ouvido num raio de três quarteirões...

E não: não acho que tenha havido falta no Alessandro no início da jogada, mas compreendo quem pensa o contrário.

Com evidente domínio do meio-campo, as comandadas de Rogé... digo, Ney Franco continuaram encontrando relativa facilidade em avançar por nossas laterais, sobretudo a direita, durante os 20 minutos seguintes – o que, confesso, me deixou temeroso de que um placar amplamente desfavorável pudesse ser construído ainda no primeiro tempo.
Se isso não se materializou, contudo, foi porque é precisamente por ali, naquelas terras à direita da baliza, que se instalou o recém-criado condado do Xerife Gil onde os fracos não têm vez. Aplausos, portanto, para nosso camisa 4 – por quem ainda não morro de amores, mas que, sejamos justos, ontem fez uma partidaça!

Enquanto isso, lá na frente, Danilo se mostrava pouco mais eficiente que um cone, Romarinho apresentava uma versão displicente blasé do futebol de Jorge Henrique e Emerson Sheik era, na pior acepção do nome, Emerson Sheik.
Pouco à frente deles, em vão, Guerrero se debatia entre os zagueiros.

Nos raros lampejos criativos de nosso setor ofensivo, contudo, as purpurinadas desciam o sarrafo com vontade, sempre contando com a (já tradicional) conivência da arbitragem – que, ao menos nesse quesito, não as decepcionou, né, safadinhas?!?
Não satisfeito, Paulo Henrique Gan$o, o maior craque de um semestre só revelado pelo Brasil nas últimas décadas, ainda tentava, a todo custo, arrancar o apito da boca do árbitro. No que, não raro, era acompanhado por Luís Pipoquinha e grande elenco.

Enfim, nada com o que já não estejamos acostumados...

Pouco antes do final da primeira etapa, porém, Danilo resolveu, ao menos por 5 segundos, despertar do aparente estado de coma no qual retornou do Japão. Após belíssima inversão de Emerson, o craque da camisa 20 cortou seu marcador com extrema facilidade e mandou uma estilosa sapatada  no ângulo, praticamente sem chances para o Xerocador de Contratos.

Ave, Danilo!

Descer para o vestiário com a igualdade no placar: isso era tudo o que o Seu Adenor precisava para planejar uma segunda etapa que, enfim, nos conduziria ao seu resultado favorito – o empate.

E assim, de fato, seguiu o segundo tempo: o Corinthians bem postado, firme na marcação, e as afrescalhadas trocando passes, num domínio apenas aparente, pois inócuo. Rumávamos, desta forma, para nosso 9º empate acumulado no sonolento Campeonato Paulista...

Até que, para poupar Guerrero, que atuava meio que no sacrifício, Tite precisou promover a entrada de Alexandre Pato - o que acabou jogando por terra seus planos de igualdade no placar.
Talvez por não ter sido muito bem orientado pela comissão técnica, Pato entrou extremamente aceso no jogo, atacando a bola e impondo outro ritmo a uma partida que, a essa altura, já causava certa sonolência no torcedor. E foi assim, ligado, em clima de clássico, que o camisa 7 se aproveitou de uma pixotada daquele que 8 entre 10 torcedores bambinos consideram o melhor defensor da Vila Sônia na atualidade.
A seqüência da jogada todos já se cansaram de ver, pois o interminável chororô da imprensa cor-de-rosa adentrou a madrugada:

Migué de Rogério e cobrança magistral de Pato!

Sinceramente, não consigo encontrar outro motivo para tanta polêmica senão a extrema cara-de-pau da canalhagem anti-corinthiana!
O goleiro, talvez por já ter idade para atuar pelo master do clube, conseguiu chegar atrasado numa bola que estava muito mais para ele que para o atacante e, sem outra alternativa, fez esse papelão aí. Ponto.

Aliás, cá entre nós, e que papelão, hein?! Deus do céu!...

Ademais, se lance semelhante acontecesse do outro lado e o juiz deixasse de marcar a penalidade, convenhamos, a choradeira dessa corja seria a mesma. Portanto, como diria Nataniel Jebão, elas que vão tomar nas Cubas!!

E só não grito um sonoro “Chupa, Bambi!” porque periga formar fila na porta da minha casa...

AQUI É CORINTHIANS!

5 comentários :

  1. 1- Impressionante como elas tremem diante do Timão...Ontem antes do lance do penalti teve umas duas ou três pixotadas da zaga deles. Aliás, quem falava de Betão, deveria produzir um DVD chamado Toloi Eterno.
    2- Danilo é o cara! Deve ser o quarto jogo contra elas que ele deixa sua marca. Ele adora bater na ex! Impressionante.
    3- A cena do "mitu" se ajoelhando diante do juiz vai entrar para história. Pena que ele nao tomou gol naquela furada bisonha. Não é a primeira vez que ele falha diante do time que incomoda e (espero) que não seja a ultima. Precisa tomar mais dez gols para completar a marca centenaria. Só que elas são tão orgulhosas que é bem capaz do "mitu" se aposentar antes só pra não passar por este vexame. Lembre-se que elas seguraram técnicos depois de perderem pro Timão só pra não evitar comentários de que o Timão derrubou técnico delas. Vai Corinthians! (Múcio Rodolfo)

    ResponderExcluir
  2. Temos que levar em conta que nosso time jogou 50% do que sabe pois era jogo misto.
    As meninas sairam chutando o vestiário, os salões de beleza devem ter ficado lotados para arrumar as unhas das bonecas.

    ResponderExcluir
  3. nuncam aceitam a derrota , nenhuma novidade ... espero que o cenil continue jogando por mais uns dez anos

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos ao Coringão serão DEMOCRATICAMENTE excluídos, sem exceção. Noves fora, a palavra é sua.