quinta-feira, 2 de maio de 2013

Boca Jrs. 1 x 0 Corinthians: muita calma nessa hora...


Diferentemente do que tenho lido em muitos dos blogs que acompanho e recomendo (ver seção Peregrinação, na barra lateral direita), não penso que os jogadores tenham tremido no jogo de ontem. Quer dizer, não, ao menos, durante toda a peleja.

Na primeira etapa, aliás, acho mesmo é que houve o contrário: rolou foi o famoso salto alto. Não teve "excesso de respeito", mas justamente falta de
Recuado, bem postado, confiante (mais que isso, aliás: confiado) de sua solidez defensiva e quase apático de tão frio, o Corinthians parecia atrair o rival para seu campo, na certeza de que, a qualquer momento, encontraria a bola capaz de tirar o placar do zero - e o adversário, pilhado desde o início, do sério.

Pelo que se viu no primeiro tempo, fica, ao menos para mim, a sensação de que o time realmente caiu nessa esparrela midiática de que bateríamos o Boca, em plena Bombonera, tão facilmente quanto goleamos a Macaca no Moisés Lucarelli.
Não, senhores, não é assim que as coisas funcionam. E não seria mesmo que este capenga Boca Juniors atual fosse, como querem os mais exagerados, o pior da história do clube Xeneize.

Terminado o primeiro tempo, descemos para o vestiário com um 0 a 0 no placar e tendo corrido pouquíssimos riscos. Ainda nos sentíamos, na pior acepção do termo, os "campeões mundiais".

Porém, começa a segunda etapa e, de cara, com ela vem a contusão de Danilo, erroneamente substituído por Jorge Henrique - com o quê, nosso já esvaziado meio-campo se desmonta quase por completo.
O time, de imediato, sentiu a saída de seu único meia criativo de um tal modo que, nos instantes seguintes, tive a impressão de que nossos jogadores, assim como os do Chelsea na final do Mundial, enfim concluíram que, “caramba, dava para perder!". E, a partir daí, sim, entendo que o Corinthians começou a demonstrar os primeiros sinais de tensão excessiva, errando passes bobos e caindo na milonga dos argentinos - que "milongavam" desde o apito inicial, diga-se.

Foi em meio a esse cenário que, numa bola meio espirrada, o ataque Xeneize achou um gol. Se, antes de aberto o placar, o Timão já errava passes em excesso, a partir daí o time atingiu um patamar bizarro neste quesito – como se a bola, realmente, queimasse nos pés dos jogadores.
Finalmente, estava instalado, senão o desespero, ao menos o destempero.

Ao final, 1 a 0 para o Boca e a sensação de que ainda ficou barato...

Resumo da ópera: se, num passado ainda recente, tremíamos nesta competição devido a um complexo de vira-latas, ontem, trememos somente quando nos demos conta de nossa patética e injustificável soberba.

Talvez estejamos, todos nós, enebriados pelas glórias recentes; ofuscados pelo reluzente brasão dourado que trazemos no centro do peito - e que, se for pelo bem do time, creio até que deveríamos abolir.

* * * * *

Com a saída de Danilo, Tite deveria ter entrado com Edenilson ou, na pior das hipóteses, com Guilherme (neste caso, empurrando Paulinho para a armação, já que, atualmente, ele faz tanta questão de jogar como meia...); porém, jamais com Jorge Henrique.
Aliás, na verdade, o ideal seria, naquele momento, ter mandado a campo o Douglas. O de 2008/2009, que fique claro, não esse tiozão de boteco que temos no banco atualmente.

Volta logo, Renato Augusto, pelo amor de Deus!!!

* * * * *

Tite simplesmente optou por sacar o melhor corinthiano em campo no momento de promover a - até então, tida por necessária - entrada de Pato...
Teria faltado culhão para mexer com Emerson - que, àquela altura, já não fazia mais porra nenhuma?


* * * * *

Agora, mais do que nunca, é preciso focar nas partidas finais do Paulistão. Até porque, disputando-as em alto nível, com a entrega e a humildade que se tornaram marcas deste time, talvez consigamos resgatar a intensidade e o espirito de decisão necessários para que atropelemos o Boca no dia 15/05.

Que venham os Bambis...

* * * * *

É só questão de ajuste. Avançaremos! 

12 comentários :

  1. Vendo os comentários do pessoal ficou com a impressão de que temos um imbecil no banco de reservas e uma porcaria de time...Ainda bem que é só impressão. Este time foi campeão brasileiro, invicto da Cucaracha e do Mundo, mas parece que foi rebaixado pra segunda divisão do campeonato piauiense. Mas vamos lá, dia 15 será outro jogo, outras circunstâncias....Eu acredito na rapaziada!
    (Múcio Rodolfo)

    ResponderExcluir
  2. O resultado perfeito seria um 1 a 1.
    Pode me chamar de louco, mas prefiro esse 0 a 1 do que um zero a zero.
    Vamos passar! Vai ser no sufoco. O Paca vai ferver.

    ResponderExcluir
  3. tenho a mesma opiniao em relação ao Guilherme (injustificadamente pouco aproveitado)e Sheik (genio e idiota) que estava mortinho. No final do primeiro tempo o Paulo Andre falava com a certeza de que fariamos o nosso 1x0 sagrado de cada dia. O Tite é o cara, ok. mas o jogo poderia ter sido resolvido ainda no primeiro tempo quando ELES é que estavam apavorados . por mais eficiente que seja o sistema "vamos matar o adversario de sono" o Corinthians hoje tem elenco para arriscar um pouco mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Pedro: no primeiro tempo, eles é que estavam nos respeitando, e tanto fizemos que conseguimos inverter a equação...

      Excluir
  4. No Mundial uma atuação tao desastrosa quanto na semifinal serviu para acordar o elenco, que assimilou o baque e percebeu que sem concentração, humildade e coragem nao se chega a lugar nenhum. A partida seguinte foi a melhor da historia desse elenco, e o resultado todo mundo ja sabe.

    Esse time nao é infalível, mas nao costuma persistir no erro. Estão mordidos, e chego a ter dó do Boca...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou apostando nisso, João Luís.

      Excluir
  5. Parabéns pelo blog e pela excelente análise do jogo. Primeiro é preciso lembrar o Paulinho que ele não é craque, não é Iniesta, Xavi, Gerard... Ele é ainda Paulinho. Arranquem a máscara dele. Cássio não passa segurança, Sheik está oscilando muito (apesar de eu ter gostado muito da entrevista sincera dele após o jogo), Tite matou o time com as substituições (tem crédito, mas também erra), e não não temos substitutos para o Danilo e para o Renato Augusto. Resumindo, este ano o time não convenceu. Não tem a mesma pegada e o pior, não controla mais o jogo e nem consegue ficar com a bola muito tempo devido à displicência nos passes. Tomara que consigam lembrar o que fez deles campeões mundiais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu!!
      O Cássio, de fato, é muito instável. Quando pega um jogo inspirado, parece intransponível; no dia-a-dia, porém, é estabanado e sai mal do gol.
      Realmente, ainda estamos devendo em 2013. Contudo, o time é praticamente o mesmo que terminou 2012 em altíssimo nível - portanto, existe, em algum lugar ali, o mesmo futebol que nos fez campeões mundiais.
      Concordo com você que, para reencontrá-lo, talvez seja mais o caso de baixar a bola, mesmo...

      Excluir
  6. Na boa: no 2º tempo, após o gol, o meio de campo do Corinthians sumiu... Paulinho, principalmente, sentiu o baque do gol e errou jogadas que normalmente não erra... Mas acredito na vitória corintiana: 2 x 1 pro Timão no Paca!!! E o Moderador que me censure!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahaha! Se manjar de futebol, até santista será bem-vindo aqui, Lula...

      Excluir

Comentários ofensivos ao Coringão serão DEMOCRATICAMENTE excluídos, sem exceção. Noves fora, a palavra é sua.