quinta-feira, 13 de junho de 2013

Futebol (também) é business

"Aí foi eleito um presidente de 40 anos, Andrés Sanchez, que conhecia as engrenagens do clube e que cometeu a loucura de chamar para o marketing um economista completamente desvinculado da gestão. A primeira decisão: vamos construir uma marca. Nada é tão difícil como conseguir a lealdade do consumidor em relação a uma marca. Nada tão fácil, no nosso caso. Só se a gente fosse muito incompetente é que não daria certo. Existe marketing bem-feito e malfeito. Mas tem uma premissa: não existe marketing melhor que o produto.

(...)

Vamos construir uma marca em torno da Fiel e não em torno do clube.

(...)

O antípoda do Corinthians é o Santos. O Santos constrói tudo em cima do craque. Uma hora é o Pelé, depois o Robinho, agora é o Neymar. A televisão, a superexposição de mídia... Aqui, o primeiro longa que estourou na bilheteria documentava a queda para a Série B e a volta por cima. O filme chama-se Fiel, não se chama Timão."

- Luís Paulo Rosemberg, em (ótima) entrevista publicada na edição nº 750 da revista Carta Capital, de 29 de maio de 2013  -



Atualização (14 de junho, 08:30h)

Link para a entrevista gentilmente informado pelo Alessandro Costa. Valeu!

5 comentários :

  1. Olha o link da entrevista ai Zé Carlos:
    http://www.cartacapital.com.br/tv/especiais/luis-paulo-rosenberg-o-vice-do-timao

    ResponderExcluir
  2. Quem é aquela gostosa no porta-retrato?? mulher dele? ahahahaha boa entrevista (Romano)

    ResponderExcluir
  3. Cara, essa idéia do trem do Memorial da América Latina é perfeita!!! TOMARA que dê certo...pra quem mora a 120km de São Paulo no sentido Noroeste seria uma mão na roda, Itaquera é longe...(Romano)

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos ao Coringão serão DEMOCRATICAMENTE excluídos, sem exceção. Noves fora, a palavra é sua.