domingo, 25 de agosto de 2013

Pelo início do fim de uma crise que, tecnicamente, sequer começou

Logo mais, às 16h, o Timão fará sua estréia no elefante branco do cerrado, o Estádio Mané Garrincha. 

Embora o mando de campo pertença ao rival, Vasco da Gama, não se pode dizer exatamente que jogaremos na casa do adversário, visto que o clube carioca negociou os direitos da peleja com aquela mesma empresa que administrou a partida de despedida de Neymarketing, realizada entre Flamengo e Boqueirense (sim, a inversão de valores foi proposital). O efeito disso é que não haverá cotas fixas, tampouco divisão entre as torcidas; os 63 mil bilhetes são vendidos a qualquer um que possa arcar com míseras 160 pilas pelo ingresso menos caro. 

Ou seja: para os candangos chiques do Plano Piloto / Sudoeste, onde uma quitinete pode custar meio milhão, tratam-se de valores bem acessíveis - diria que quase uma pechincha. Já a candangada fudida das satélites, com sorte, poderá descolar um trampo como vendedor de dogão nas arquibancadas do estádio.

Neste momento, pensei em dar um "viva" à Copa de 2014, mas... refletindo melhor, qual a novidade?!

Enfim, voltando à partida, o Timão irá a campo hoje com Cássio, Edenilson, Gil, Paulo André e Fábio Santos; Ralf e Ibson; Danilo, Douglas e Emerson; Paolo Guerrero. De positivo, a entrada de Douglas, que, centralizado, poderá ser a solução para nossa deficiência criativa; de quebra, o camisa 10 ainda empurra Danilo definitivamente para a direita, onde é sabido que ele se sente mais confortável.

De negativo, porém... porra, por que insistir em Ibson quando se pode testar Jocinei - que estará à disposição no banco e,  dizem, tem voado nos treinos?
Quanto à titularidade oferecida em prêmio ao "causador da semana", prefiro nem comentar. Que, para o bem dele, aquela chuteirinha hipócrita que será usada hoje jogue muita bola; que nos ajude a voltar de Brasília com uma convincente vitória!

Sim, vitória. O planejamento titeano de três pontos em casa e um fora só pode ser sacralizado quando a primeira parte da sentença se cumpre. Como não tem sido exatamente esse o caso...

Ademais, como dito no início do post, se não jogaremos em casa, também não jogaremos na casa do adversário - que faz campanha de irregular para medíocre neste Brasileirão.
Sem dúvida, trata-se de jogo para se vencer. Vencer, convencer e começar a espantar de vez essa velha companheira, a crise, que tanto tem rondado o Parque São Jorge nos últimos dias.

VAI CORINTHIANS!

* * * * *

E pensar que, dias atrás, chegamos a sonhar com o retorno de Willian, aqui neste blog?... Pura ingenuidade: "liquidação" no tal de Anzi Makhachkala é tipo sale na Daslu.

* * * * * 

Muita força nessa hora!

14 comentários :

  1. Coração Sofredor25 de ago de 2013 19:45:00

    "Sem dúvida, trata-se de jogo para se vencer. Vencer, convencer e começar a espantar de vez essa velha companheira, a crise, que tanto tem rondado o Parque São Jorge nos últimos dias." Infelizmente empaTITEamos de novo! Tô começando a ficar preocupado com o 2º turno...

    ResponderExcluir
  2. Mais um dos heróis da mítica campanha de 1954 se foi.
    Gilmar dos Santos Neves não resistiu à complicação de um infarto.
    Para os petizes que desconhecem. Gilmar foi o maior goleiro que apareceu no patropi. Teve a sorte de atuar em duas grandes equipes, ao lado de jogadores inesquecíveis. Tem gente que acha que ele foi melhor no outro time, porque lá foi campeão da Cucaracha, de um suposto mundial…. É que no tempo em que ele atuou pelo clube que incomoda, não tinha Taça Brasil, não tinha Cucaracha, não tinha Intercontinental. Só tinha estadual e Rio São Paulo e com a camisa 1 do “clube dos carroceiros”, ele conquistou todos. Gilmar começou no time mais importante da cidade de Santos, o Jabaquara Atlético Clube – o Jabuca- de onde também saiu outro herói mosqueteiro, Baltazar. Veio como contra-peso. O Corinthians não estava interessado nele, mas sim num centro-médio que tinha por lá (o Ciciá). Este sumiu no tempo, Gilmar ficou para a eternidade. Eu sempre penso nisso quando vejo a moçada torcendo o nariz para jogadores oriundos de times modestos. No meio desses desconhecidos pode estar um Gilmar. Um de seus primeiros jogos foi bem traumático – goleada sofrida diante da Portuguesa por 7×1. Tinha gente querendo expulsá-lo do PSJ, mas ele ficou e deu a volta por cima. Tinha personalidade. Tanto que não se abalava depois de tomar um “frango”. Em 1961 resolveu descer a Serra e tornar o time do litoral quase imbatível. O Corinthians demorou mais de 25 anos para encontrar um substituto quase a altura.
    Valeu Gilmar! (Múcio Rodolfo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em tempo: essa do 7x1 eu conhecia, mas o fato dele ter vindo de contrapeso, não.

      Excluir
  3. Crise ??? Quarto lugar com boas possibilidades de brigar pelo título. Um time que mesmo estando deficiente nas laterais e agora sem um 2º volante ainda consegue se impor, ( não mais com tanta volúpia), mas quando decide títulos sempre leva a melhor. Dois títulos já no ano de 2013. Foi expurgada na mão grande da libertadores por ser o principal candidato ao título, senão provavelmente teríamos mais um. Não se iludam com aquela ajudinha contra o Coritiba, pois a arbitragem mais nos prejudica do que ajuda. Investiram R$ 20 mi de Euros em um "chester", Emerson Sheik só faz merda (desde a libertadores 2012), venderam Paulinho, Danilo cheio de altos e baixos (4 baixos para cada 1 alto), as lesões de Renato Augusto e Guilherme, a contratação de Ibson e vocês querem a cabeça do Tite ??? O esquema do Tite quando bem executado por um elenco mais recheado é imbatível em qualquer campeonato infra americano. Precisamos de peças que devolvam ao time o força que tinha (2 ou 3 de qualidade nos setores certos) e voltaremos a mandar nesse latifúndio. Provavelmente viraremos o 1º turno com 31 pontos em 3º ou 4º lugar. Com volta do Renato Augusto e Guilherme (não é um Paulinho, mas é muito melhor que um Ibson)continuaremos no páreo. Crise????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela não está instalada ainda, mas vejo uma crise rondando o Parque São Jorge, sim, César. Apenas 15 minutos de algum futebol nas 4 últimas partidas, derrota vexatória para time da série C, possibilidade real de desclassificação na Copa do Brasil (o que não acredito que vá acontecer, embora ache que passaremos um sufoco lascado na quarta), Sheik chamando a atenção na hora errada e do jeito errado, Pato saindo vaiado em todos os jogos, uma visível falta de tesão no time...

      E, pelo que aconteceu até aqui em 2013, a arbitragem pode nos ajudar em mais uma dúzia de partidas neste ano que, ainda assim, continuará em dívida conosco!

      Excluir
    2. Tens razão quanto a falta de tesão de alguns, e para se jogar com a concentração necessária para se executar o esquema do Tite, tem que se ter tesão ou pelo menos sombra no banco. Mas quarta feira vai ser uma festa, um massacre, um raio não cai duas vezes no mesmo lugar (fora os para raios da vida).

      Excluir
  4. Poxa Zé, estive lá e não éramos um publico coxinha.
    Faltou a massa do entorno (the real fucked), mas as satélites estavam ali, inclusive eu.
    Éramos bem heterogêneos, embora classe media na maioria.
    Lamentável mesmo foi a imbecilidade da gaviões, que se aproveitando do maior número de Corinthianos (80/20), e da imbecilidade da PM que largou a contenção no intervalo fez o que fez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pô, que bom, então, Marcus. Não quis ser preconceituoso, mas realmente imaginei que, com o ingresso menos caro a 160 paus, o público teria, sim, aquele perfil de jogo da seleção.

      O que aconteceu ontem foi ridículo - dentro e fora de campo, aliás. Espero que a imbecilidade tenha sido cometida pela Gaviões bem longe da sua família. Sou louco para levar meu sobrinho ao Pacaembu, porém, toda vez que vejo as TOs do Timão brigando entre si, perco a coragem.

      Excluir
    2. Gravada Deus bem longe, obrigado pela preocupação.
      E tem a meia entrada, meu caso.

      Excluir
  5. Eu sei que o MFT (Movimento Fora Tite) vem ganhando força nos últimos tempos. Alardeiam (com razão) a fase ruim por qual passa o time no momento, mas ignoram o que foi conquistado este ano. Não vou mais falar de 2011 e 2012 porque se trata de um passado bem passado. Como disseram ai antes, o nosso elenco não é tão "brastemp" assim. E tem alguns jogadores um tanto quanto envelhecidos. Atendendo aos clamores populares, ele até podia desobrigar o Pato, o Douglas, o Emerson, o Romariho de marcarem... .mas ai quem seguraria a barra do Edenilsou ou do Alessandro, do Fábio Santos ou do Igor? Em 2004, com uma defesa fraca, o Oswaldinho armava o Timão com três atacantes -Gil, Jô e Marcelo Ramos. A galera que odeia "retranca" deve ter aplaudio (Grêmio 4x0, Chiqueirense 4x0, Atlético-Pr 5x0..). E o único burro do planeta futebol atende pelo nome de Adenor. O Mano Menezes é um dos prediletos. O mesmo Mano -que eu respeito pelo trabalho que fez no Timão (também respeito o Oswaldinho) que hoje tem a disposição no Urubuzento o Chicão, que o treineiro dispensou preferindo o Felipe; o Elias, que o "burro com sorte" não quis, mesmo sabendo que iria perder o Paulinho; o André Santos, que o "Jumentite" descartou por paixão pelo Fábio Santos. Por outro lado, é notório que este time precisa de uma mexida, trocar algumas peças, e o Adenor não me parece a pessoa indicada para isso. Sendo assim, no final do ano, terminado o seu contrato, sua troca por outro profissional poderia até ser benéfica para o clube e para ele.
    (Múcio Rodolfo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a relação entre técnico e elenco se desgastou, Múcio. E é mais fácil (e muito menos custoso) trazer, ao final do ano, um técnico novo + 3 ou 4 peças pontuais do que dar carta branca para que o Seu Adenor comande uma reformulação geral no grupo.

      Excluir

Comentários ofensivos ao Coringão serão DEMOCRATICAMENTE excluídos, sem exceção. Noves fora, a palavra é sua.