segunda-feira, 31 de março de 2014

domingo, 23 de março de 2014

Na vitrola

Por aqui, mais conhecida como trilha de um famoso - e ótimo - seriado dos anos 80...

terça-feira, 18 de março de 2014

Foi engano. Paulistão agora só no próximo ano.

O gosto amargo de uma eliminação no campeonato paulista! A gente já experimentou isto em outras temporadas, mas....  Em outras  circunstâncias e com “cores” menos vergonhosas. Domingo, um 0x0 afastou o Corinthians da luta pelo bicampeonato.  Mesmo com Jádson e sem Emerson,  não conseguiu  obter a vitória que o manteria na briga por uma vaguinha na próxima fase.  Há  35 anos atrás, um outro empate sem abertura de contagem acabava com a esperança de um outro bicampeonato. A diferença sutil é que naquela oportunidade o adversário era o Guarani legítimo, simplesmente o  então campeão brasileiro.  Avançando um pouco no tempo, em 1983, a Fiel via o seu time massacrar o Flamengo de Zico e Cia.  Era o time do Doutor, mas naquele dia quem brilhou, se não me engano, foi o Zenon.  Só que, para a classificação, a gente dependia  do Guarani  segurar  o Goiás no Brinco  de Ouro. Não segurou. Teve aquela sensação  de ver realizado  o sonho de ser campeão brasileiro mais uma vez adiado. No entanto, teve aquele orgulho de ver que o time tinha feito a sua parte. Ontem mais uma vez dependíamos do esforço alheio. Só que  não fizemos a nossa parte.

Que os Bambis vão entregar sempre que puderem prejudicar o Timão, irão. E sempre usarão  como desculpa o famoso jogo em que o Felipe não se esforçou para defender aquele pênalti.  Então, baseado nessa premissa, todo responsável pelo departamento profissional já deve olhar a tabela do campeonato e se precaver. 

Voltando às minhas reminiscências, naquela tarde de quinta feira (ou teria sido numa quarta? Eu sei que o jogo foi à tarde num meio de semana), quando o juiz trilou o apito e decretou que o Timão estava fora, eu chorei. Tinha 12 anos.  Hoje eu vejo muita gente dizendo que ser eliminado foi até bom porque agora o time vai ter mais tempo para se preparar, o Mano vai poder trabalhar com mais tranqüilidade visando aquilo que interessa,  ou seja, para as competições que “premiam” vaga na mais “fantástica” competição futebolística: a Cucaracha.  Mas é uma insatisfação que será aplacada com a conquista de um título qualquer ao longo da temporada. Nada como um campeonato ganho para fazer esquecer um perdido.

Fomos eliminados. De quem é a culpa? Da diretoria, que não promoveu a renovação que este  time a muito vem exigindo. Contratar até que a diretoria contratou, mas pelo visto alguns dos reforços não corresponderam. Por falar em reforços, por que o outro Guilherme não é aproveitado? 
Do técnico, que é bom, mas também não é tudo aquilo;  que já poderia ter afastado alguns “paneleiros” do elenco,  insistido menos com determinados jogadores . Lembrando que ele não é o maior responsável e que, se lhe for dado o mesmo tempo que ele próprio teve em 2008, pode pintar coisa boa com o passar do tempo. De alguns jogadores, que ainda não entenderam o que é jogar no Corinthians. E, por que não?, nossa por não cobrar este time e esta diretoria da forma como deve ser cobrada.

-------------------------------------------------------

1- O  “Não vai ter Copa” vem acompanhado de um anticorinthianismo doentio.  Muitos aderiram ao movimento incomodados  com a construção do novo estádio corinthiano. Mesmo que se explique a engenharia financeira para a construção da obra, eles sempre irão dizer  que foi dado pelo governo e que com este dinheiro poderia se investir em saúde, educação, transporte, casas populares....

2- Sábado dia 22 vai ter a reedição da nefasta marcha, aquela que apoiou o golpe militar de 64. É interessante notar que, se de um lado a nossa diretoria apoiou os golpistas, do outro a torcida esteve no lado oposto, inclusive estendendo faixas pedindo anistia ampla geral e irrestrita num clássico diante do Manjubinha.


(Com razão ou sem razão, o Corinthians tem sempre razão)

O Corinthians não é para os fracos !

 O Corinthians não é para os fracos, com isso já nos acostumamos há muito tempo. A eliminação era certa já faziam algumas rodadas, então segue-se uma surpreendente e inesperada reação coroada com duas partidas medíocres que nos extirparam do campeonato paulista (do qual ainda somos os atuais campeões, importante mencionar, até porque não pareceu tão importante no ano passado quando levantamos o caneco em uma temporada que mesmo assim foi classificada como pífia).

 E o nosso técnico; É verdade que após 14 rodadas o Sr. Mano Menezes ainda não conseguiu montar um time "nível campeão do mundo". Mas isso não surpreende afinal do "catadão" formado em 2008 na reconstrução do time após o vexatório 02/12/07 até a gloriosa vitória em Tókio foram 4 anos na lapidação de um time que mesmo sem grandes craques (incluindo alguns pardais infiltrados, como Chicão, Ralf, Paulinho) escreveu uma das grandes histórias do nosso clube. Pois leva tempo mesmo e não há fórmulas nem garantias.

 Duas falhas porém considero imperdoáveis, ter sido expulso de maneira ridícula contra o spfw e a choradeira pós Penapolense jogando a culpa em cima de quem nem mesmo deveria ter sido mencionado.  Podemos ser favelados, analfabetos, ladrões, maloqueiros, o que for...
mas chorões nós não somos, ok Mano ? De humor seco e de respostas precisas e provocativas na exata medida o novo Mano tem sido arrogante, estúpido e meio desesperado. Isso não tem ajudado.

  E os jogadores ? A diretoria já fala abertamente em reforços. São necessários e bem vindos o elenco está desigual com excesso de jogadores em algumas posições e carente em outras (Parece até que sofreu algum tipo de desmanche forçado ou algo assim).
 Nem todas as apostas do Corinthians 2014 vão se firmar nos próximos anos (alguns deles como o Rodriguinho ainda veremos comer a bola em algum adversário) mas ainda acho que fizemos boas contratações nessa janela. Veremos.
 Só que é preciso talento, além de promessas, para que as coisas comecem a acontecer de verdade.
O nome chave é Renato Augusto. Oremos !

  As finais do Paulista seriam um importante teste para o time pois impõem naturalmente um desafio maior do que a longuíssima e medíocre fase classificatória. Mas esse time, como ficou evidente, ainda não está pronto nem para os menores testes. Resta tirar o melhor proveito das férias forçadas para corrigir erros e encontrar soluções. Acredito em uma campanha no Brasileirão superior a do ano passado, com classificação final de apenas um digito (Copa do Brasil sou mais o Tite, mas como se estende até o final do ano, quem sabe, teremos tempo de melhorar).

 É isso, o Tevez não vem. O Ituano é um "baita" time (sério mesmo, vi uns três jogos e respeitando as suas limitações, jogam um futebol veloz e divertido de acompanhar). O Narciso é realidade. E o Timão ainda vai demorar um pouco para engrenar. Mas vai !

quarta-feira, 12 de março de 2014

Sobre o clássico com a bicharada (e perdoem-me pelo atraso)...


Ainda no calor da partida, que vi do conforto de meu sofá, não achei que tivesse havido recuo após o primeiro gol do Timão. Quer dizer, claro que houve recuo - mas, de cara, não achei que ele tivesse sido tático, orientado pelo técnico Mano Menezes: sem a menor saída de jogo, incapaz de se organizar ofensivamente, o Corinthians foi é dominado pelo adversário, isso sim. 
Time ainda em formação, fomos, reconheçamos, empurrados para nosso campo de defesa por um outro claramente melhor organizado - que, mesmo não sendo nenhuma Coca-Cola, valeu-se disso para se apropriar da bola, ponto.


Essa foi a opinião que eu, que nunca entendi porra nenhuma de tática (aliás, nem de futebol, hahaha!), formei ao longo da partida - e que, no calor do momento, custou-me breve, porém acalorada, discussão com meu bróder e vizinho Giba, para quem Mano foi, adivinhem, "retranqueiro". De modo que fiquei feliz menos aborrecido quando, na manhã de segunda, vi que era essa também a opinião de um dos caras que, para mim, mais manjam de tática na internet
Agora, se, mesmo assim, você não estiver satisfeito, ok:  registre-se que foi essa, ainda, a leitura feita pelo próprio titular do boné.

Porra, nunca é demais lembrar que, apenas quatro rodadas atrás (!!), esse time, arremessado num abismo psicológico pelas facções organizadas, vivia uma crise que parecia infinda. Sangramento que, não por coincidência, somente se estancou com a chegada de Jádson - coisas do futebol: lá, desacreditado; aqui, em "momento mágico" da carreira. O que vimos em campo no domingo, pois, nada mais foram que claros sintomas de nossa atual Jadsondependência.

Algo especialmente preocupante, portanto, se considerarmos que esse cara acabou de chegar, certo?

Em partes, apenas. Na verdade, o bom momento do camisa 10 é, justa e paradoxalmente, o desafogo que garantirá ao técnico Mano Menezes a tranqüilidade necessária para criar alternativas táticas (e técnicas) à sua atual onipresença.

Dêmos (1ª pessoa do plural do presente do subjuntivo, hahaha!), pois, tempo ao tempo. Mano tem tudo para fazer um ótimo trabalho nessa segunda passagem pelo Timão: principalmente o fato de ser, hoje, um dos melhores técnicos em atividade no futebol brasileiro.


Qualificando o elenco II

Convertido nosso meio-campo numa verdadeira seleção, restáva-nos encontrar no mercado um camisa 9 de primeira - daqueles que, para cada duas bolas que recebe em condições, uma é caixa. Agudo, agressivo, preciso, veloz no raciocínio; o chamado atacante de dois toques: domina e bate.

Pois foi com a janela de transferências quase se fechando que vimos a possibilidade de contar com Pedro Prado, antiga ambição deste blog, para a posição. 

Ao mais novo jihadista, nossas cordiais boas-vindas! E que soe a sirene.


)

domingo, 9 de março de 2014

Pra cima delas, Timão!

Saudações amigos da Jihad. Quis o destino que eu estreasse neste glorioso blog com uma menção positiva a um dos times da minha terrinha, a Manchester Paulista, a aprazível Sorocaba.

Pois é, poucos acreditavam, mas o Galo foi bravo e arrancou dois preciosos pontos do Ituano (que seriam três, não fosse um grosseiro erro de arbitragem no final da partida), e a essa altura os rivais já mal dormem a noite imaginando o que vem pela frente. Quando deixam chegar...

Apenas um parêntesis, se me permitem: o Atlético Sorocaba é apenas o segundo time da cidade, o rival local, mais novo e menos simpático, do centenário São Bento Esporte Clube – agremiação que revelou para o mundo jogadores como Marinho Peres, Luís Pereira, além do inigualável Pedro Francisco Garcia, mais conhecido como Tupãzinho. Nessa era de estaduais dominados por novos times sem tradição, sempre é bom ressaltar o que realmente tem historia.

Voltando ao que interessa, resta agora ao Timão vencer seus jogos restantes, começando pela parte mais fácil e prazerosa, bater nos bambis. Lembremos que a ultima boa sequência de vitorias sobre elas (encerrada lamentavelmente no Brasileiro de 2012, ainda sob forte ressaca da conquista da Cucaracha) iniciou-se na primeira era Mano, que tinha a deselegante mania de atropelá-las sem dó.

Vale também ressaltar que esse jogo, assim como os confrontos até o final do ano, terá um ingrediente especial: a contagem regressiva para o centésimo gol que faremos no bambi-mor (já foram 98, segundo contagem oficial – que seria mais caso não tivéssemos jogado no lixo duas belas oportunidades no sonolento Brasileirão do ano passado). Sem contar que, como o Zé uma vez bem mencionou, não há um jogo sequer contra elas, sem que esse cara exponha sua condição patética e desequilibrada. Show a parte garantido, é só esperar.

Sobre o time, temos a já comentada situação do acordo que impede a atuação do Jadson, e o mistério sobre quem será o substituto. Lamento por perder um jogador em tão boa fase (que ainda por cima jogaria com motivação extra contra seu ex-clube e treinador), mas lamento ainda mais o fato de tal desfalque acarretar em uma mudança no padrão de jogo. Danilo e Renato Augusto não têm, respetivamente, idade e saúde para manter o ritmo que o Jadson andava impondo ao time. Rodriguinho, pelo estilo de jogo, talvez fosse uma opção, não tivesse sentido o peso do manto em jogos menos importantes. Também falaram em Emerson, mas não acho que jogar sem meia seja um esquema que faça sentido (fora a visível e crescente falta de sintonia desse cidadão com o restante do time). Pelas recentes e lamentáveis atuações do Renato Augusto, e pelo histórico contra as descontroladas, minha opinião é que devemos entrar com o Danilo.

Resta torcer para que a intensidade dos últimos jogos se mantenha, que o jogo apagado do Romarinho na ultima quarta não seja sinal de que ele voltou a hibernar, e que o garoto Luciano  prove que não é o novo Didi (bem lembrado Mucio). Sei não, mas to sentindo cheiro de goleada. Pra cima delas, Timão!

quinta-feira, 6 de março de 2014

Nossas chances no Paulistão não viraram cinzas.....

1- Não ler o regulamento de uma competição traz desagradáveis surpresas. Estava eu achando que, embora divididos em grupos, os participantes enfrentariam todos os demais, como já o foi num passado distante (1983, por exemplo). Por isso minha relativa tranquilidade, pois faltando oito rodadas (como eu acreditava) era suficiente para que times pequenos como Botafogo e Ituano perdessem pontos, o que permitiria a nossa ultrapassagem. Só que o desinformado aqui não sabia que, neste campeonato maluco, não existe confronto entre times de uma mesma chave! Ou seja: ao invés de oito rodadas, faltam apenas 4 rodadas, nas quais o Corinthians tem de ter 100% de aproveitamento e os concorrentes devem amargar resultados negativos em metade de seus compromissos. Para agravar a situação, Botafogo e Ituano têm como adversário o imaculado e exemplar Vila Sônia - que talvez não demonstre muito empenho em derrotá-los ou até mesmo segurar o empate. Em parte, esta situação tem como maior responsável o Corinthians que, mesmo passando por uma reformulação, não poderia ter perdido os pontos bestas que perdeu - derrotas para o Bragantino e o São Bernardo em casa pesaram bastante na balança.

2- Eu não acompanhei a apuração das escolas de samba. Estou meio descrente com relação à lisura de quem julga os quesitos de um desfile. Não sou especialista em carnaval. Aliás, não sou muito fanático por carnaval. Mas..... desde que a Gaviões bateu de frente com a Liga e não quis disputar um concurso a parte, coisas estranhas começaram a acontecer. A escola da outra torcida aceitou as condições impostas pela Liga e teve um tratamento distinto. Eu acho que a Gaviões na época fez o correto, mostrou dignidade, afinal de contas ela ganhou com o passar do tempo o direito de disputar o título com todas as demais escolas e não apenas com aquelas ligadas a torcidas de futebol. O episódio, acompanhado do rebaixamento da escola, deixou uma suspeita de perseguição no ar. Mas talvez este seja um peso a se carregar. Talvez seja apenas cisma a ideia de que alguns jurados atribuem notas menores por clubismo.
O Ernesto disse no Face que a escola precisa caprichar em alguns quesitos. Então...

3- Morro e não vejo tudo. Pela primeira vez um jogador negociado em definitivo com uma agremiação é impedido de atuar contra seu ex-clube. Eu já vi isto em caso de empréstimo. No entanto, as diretorias de Corinthians e Vila Sonia resolveram inovar e Jádson, cedido em definitivo ao Timão, não poderá atuar no clássico de domingo! Por falar em contratação, segunda saiu no feissibuqui a notícia de que Nilmar estaria voltando ao Timão. A informação não foi confirmada e, parece, ele já assinou com outro clube.
Nilmar faz parte de um passado sombrio do clube. E, de mais a mais, agora o tempo é de Luciano!

4- Com dois gols de Jádson e dois gols de Luciano, o Timão goleou o Linense no campo do adversário e manteve vivas as chances de se classificar.  Derrotar o Vila Sonia é fundamental porque o Ituano, com quem a gente briga, tem uma partida relativamente fácil pela frente. O Botafogo eu acho que já desgarrou.
No primeiro tempo, o time foi para o abafa. Não deixou de atacar, mesmo com a vantagem no marcador. Fazia tempo que não se via isto. Jádson marcou um gol de falta (o segundo), dando-nos esperança de termos encontrado o tal homem da bola parada (um Alex, um Marcelinho – se não for sonhar demais). E o Luciano balançou a rede duas vezes de novo. O primeiro gol dele na partida foi um golaço. O segundo tempo veio meio chocho. Acho que a moçada se guardou para o jogo de domingo. 
O Mano fez uma substituição que se fosse feita pelo Adenor..... Trocou Romarinho por Emerson, mas deve ter uma explicação. O fato é que estamos engrenando.



(Com razão ou sem razão, o Corinthians tem sempre razão)