quarta-feira, 12 de março de 2014

Sobre o clássico com a bicharada (e perdoem-me pelo atraso)...


Ainda no calor da partida, que vi do conforto de meu sofá, não achei que tivesse havido recuo após o primeiro gol do Timão. Quer dizer, claro que houve recuo - mas, de cara, não achei que ele tivesse sido tático, orientado pelo técnico Mano Menezes: sem a menor saída de jogo, incapaz de se organizar ofensivamente, o Corinthians foi é dominado pelo adversário, isso sim. 
Time ainda em formação, fomos, reconheçamos, empurrados para nosso campo de defesa por um outro claramente melhor organizado - que, mesmo não sendo nenhuma Coca-Cola, valeu-se disso para se apropriar da bola, ponto.


Essa foi a opinião que eu, que nunca entendi porra nenhuma de tática (aliás, nem de futebol, hahaha!), formei ao longo da partida - e que, no calor do momento, custou-me breve, porém acalorada, discussão com meu bróder e vizinho Giba, para quem Mano foi, adivinhem, "retranqueiro". De modo que fiquei feliz menos aborrecido quando, na manhã de segunda, vi que era essa também a opinião de um dos caras que, para mim, mais manjam de tática na internet
Agora, se, mesmo assim, você não estiver satisfeito, ok:  registre-se que foi essa, ainda, a leitura feita pelo próprio titular do boné.

Porra, nunca é demais lembrar que, apenas quatro rodadas atrás (!!), esse time, arremessado num abismo psicológico pelas facções organizadas, vivia uma crise que parecia infinda. Sangramento que, não por coincidência, somente se estancou com a chegada de Jádson - coisas do futebol: lá, desacreditado; aqui, em "momento mágico" da carreira. O que vimos em campo no domingo, pois, nada mais foram que claros sintomas de nossa atual Jadsondependência.

Algo especialmente preocupante, portanto, se considerarmos que esse cara acabou de chegar, certo?

Em partes, apenas. Na verdade, o bom momento do camisa 10 é, justa e paradoxalmente, o desafogo que garantirá ao técnico Mano Menezes a tranqüilidade necessária para criar alternativas táticas (e técnicas) à sua atual onipresença.

Dêmos (1ª pessoa do plural do presente do subjuntivo, hahaha!), pois, tempo ao tempo. Mano tem tudo para fazer um ótimo trabalho nessa segunda passagem pelo Timão: principalmente o fato de ser, hoje, um dos melhores técnicos em atividade no futebol brasileiro.


10 comentários :

  1. resultado normal pelas circunstancias, é verdade que o spfw não chega a ser um grande time mas nesse momento estamos atrás.

    jogar nos contra-ataques após abrir o placar é desde sempre uma das mais eficientes maneiras de se vencer uma partida. isso, claro, se você conseguir encaixar ao menos um contra-ataque.

    o Uendel é o cristo do momento. Defesa é coletivo e a do Corinthians ainda não encaixou. "Ah, mas ele sobe e deixa avenida". É verdade mas alguém sempre fica na cobertura.

    Até por isso, acredito, a classificação é essencial para que o time seja testado em jogos mais tensos e fique mais cascudo.

    o Mano CAGOU MUITO por ter sido expulso. imperdoável, pela partida (era clássico e valia a nossa classificação) e também por todas as dúvidas que se lançam sobre o grupo. coisa de amador.

    ----------------

    O pai do garoto boliviano enterrou uma das chuteiras do Guerrero em um cemitério indígena. não é possível...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com todo o respeito à alma do garoto, essa foi foda, hahaha!

      Excluir
  2. Ah (não foi vc quem disse, viu?) o time recuou, mas não recuou como nos tempos do Tite.
    Ah (esta também não foi vc quem disse; aliás não sei se alguém disse) jogou com três volantes e zero meias, mas foi diferente dos tempos do Tite.
    Me desculpe. Eu tento me controlar, mas....
    Eu penso que está ficando claro que a missão do Mano não será tão fácil como se imaginava. Pra mim uma partida depende das circunstâncias. De repente o adversário, em desvantagem no placar e com uma formação superior -mais estável foi para cima, obrigando o Timão a recuar. Soa me estranho, um técnico mandar o time recuar com tão pouco tempo de partida. O placar foi justo. Eu só achei que o juiz poderia ter atribuido os nossos gols ao Luciano e ao Guerrero. Numa tacada ele livrava a cara do moço do Vila Sonia - daqui a 20 anos pouco se lembrariam do verdadeiro auto dos gols atribuidos aos nossos atacantes, daria moral para esse menino que está dando seus primeiros passos no Timão e daria ao Guerrero aquela sensação de ter se livrado da nhaca que o acometeu. Apesar dos pesares, eu acredito no Mano.
    (Múcio Rodolfo)

    ResponderExcluir
  3. Zézão, paixão é foda... às vezes não nos faz enxergar certas coisas e eu entendo tranquilamente; mas que o Mano Menezes retrancou o time após o 1 x 0... eu não tenho dúvida. Se algum time quis ganhar aquela partida te garanto que não foi o nosso e isso é FATO. Mas boto fé no cara, muuuuuuuuuuuita fé, o cara tá montando o time e devemos ter paciência. Como já havia lhe dito antes foda não é perder, foda é ser humilhado.

    Ficamos assim então; no Pacaembu de vez em quando ELES ganham... mas no Morumbi... sem chance, só dá Coringão!

    Dois pitacos:

    1 - CRUZEIRO perde o jogo na Libertadores e Dagoberto perde um pênalti. Se fosse jogador do Corinthians a manchete seria: EX-CORINTHIANO PERDE PÊNALTI E PREJUDICA TIME NA DERROTA PARA O (coloque o nome que vc quiser)

    2 - Pato estréia contra NINGUÉM, passa em branco e ainda mete o braço na bola pra enganar o juiz. Adivinha a manchete se ele ainda estivesse no Corinthians:
    PATO NÃO MARCA NA VITÓRIA APERTADA DO CORINTHIANS; CBF AGUARDA A SÚMULA DO JUIZ PARA APLICAR PUNIÇÃO PELA SIMULAÇÃO DO JOGADOR DENTRO DA ÁREA DO ADVERSÁRIO.

    VAI CORINTHIANS!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você acha mesmo que ele tentou segurar o 1 a 0 por 80 minutos? E, mesmo assim, ainda bota fé no cara??

      Sobre os pitacos:

      2- E, se marcasse gol, diriam que só não integrou o grupo da Copa porque demorou a chegar na Vila Sônia...

      Excluir
  4. O mais preocupante, na minha opinião, em relação ao Uendel, é que dessa vez o erro foi técnico e não de posicionamento (coisa que teoricamente se corrige com o tempo). Foi mole na bola, esqueceu de conferir quem vinha atrás... Pode (e deve) treinar para melhorar alguns fundamentos, mas percebe-se que a marcação nunca vai ser o forte.

    Mas sinceramente, ainda prefiro um lateral mediano na marcação (ainda não é o caso do Uendel), mas que saiba cruzar decentemente (espécie cada dia mais rara no futebol brasileiro). Me preocupa muito termos que voltar com o Fábio Santos (que é um cara dedicado, tem história, jogou pra caralho contra o Chelsea, etc.) e pôr no banco um lateral com as qualidades ofensivas do Uendel. O negócio é rezar pra que o erro de domingo se transforme em motivação pra melhorar, ao invés de trauma - se for o caso da segunda opção, já era.

    ResponderExcluir
  5. Caros colegas da nossa jihad...

    venho por esta dar os parabéns ao nosso estimado técnico e ao nosso querido presidente.

    sem mais.

    O Imperador.longa vida a jihad.

    abraço a todos.

    ResponderExcluir
  6. O time de ouro não vai postar nada a respeito da desclassificação do Paulistinha ????
    Ou vão esperar uma vitória sobre o fantástico Bahia de Feira de Santana???
    Dá licença vai !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. César, César... sem ódio no coração, meu caro! ;-)

      Excluir
  7. Para compensar a desilusão de uma eliminação num campeonato seja qual for, uma vitória diante do espetacular Bahia de Feira é muito pouco. Para compensar tamanho dissabor somente a conquista de um título. O vexame de ser eliminado pelo Tolima teve resposta na consagração de uma conquista invicta. Aquele título de campeão brasileiro conquistado em 1998 atenuou a dor de ter perdido a chance de ser campeão paulista invicto no último jogo.
    (Múcio Rodolfo)

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos ao Coringão serão DEMOCRATICAMENTE excluídos, sem exceção. Noves fora, a palavra é sua.