terça-feira, 6 de maio de 2014

Pitacos

Liderança - Três rodadas, duas vitórias, nenhum gol tomado e líder invicto. Mas acredito que, como eu, poucos corinthianos devem ter se empolgado com o início de campeonato do Timão. Pouca criação de jogadas, raras chances de gol e até momentos de sufoco contra times de qualidade duvidável. Confesso que esperava mais dessa pausa forçada pós-eliminação do Paulista.

Defesa - A boa notícia é a volta do bom desempenho da nossa defesa, intransponível já a sete partidas. Boa notícia? Traumas e medo do retorno de uma defensibilidade exagerada à parte, acredito que seja, sim. Penso que tenha ficado bem claro, no início do ano, a tentativa do Mano em pular etapas na reconstrução do time, aproveitando-se do esquema defensivo de seu antecessor - o que, como todos pudemos ver, acabou sendo um erro grave de avaliação. Tudo leva a crer que o próprio Mano entendeu a situação sob essa ótica e resolveu priorizar justamente esse setor (base para qualquer boa equipe) nessa primeira inter-temporada do ano, para então evoluirmos ao longo do ano. Sendo realmente essa a ideia, a primeira meta foi aparentemente cumprida. A segunda que é um pouco mais complicada...

Meias - Claro que temos vários fatores que possam contribuir para uma possível melhora (Guerrero voltando a fazer gols, expectativa pela dinâmica que o Elias possa trazer ao nosso meio, etc.) Mas é bem provável que não tenhamos evolução alguma se nossos meias não jogarem bem. Que Jadson teremos, o do início eletrizante no Corinthians, ou o apático jogador dos bambis? Renato Augusto é minimamente confiável para se pensar um esquema com ele, ou o negócio é assumirmos que ele não pode ser mais do que uma ótima opção de banco, quando apto a jogar? Será que o Mano vai saber lançar o Zé Paulo aos poucos, sem queimá-lo (como quase fez no início do ano, em um momento de desespero)? O que acontece afinal com o peruano Ramires, que chegou a ter chances no Paulista e depois, como sempre, sumiu do mapa? Será que o Douglas ainda não tinha lenha pra queimar (já que, assim como o Danilo, era um jogador disposto a compor o elenco, mesmo que no banco, entrando em momentos específicos)? Tantas incógnitas em um setor tão crucial faz do próprio Timão uma incógnita para esse ano.

Selecionabilidade - Confesso que a ideia me agrada, mesmo eu tendo sido favorável à substituição do Adenor no ano passado. Sou meio ciumento com quem fez história no Timão, e com isso não corremos o risco de vê-lo treinando porcos ou bambis. 

Dúvida - Acredito que todos aqui devam estar acompanhando a empolgante campanha do Atlético de Madri que, mesmo lutando contra gigantes de orçamentos estratosféricos, garantiu sua vaga na finalíssima, e busca vencer pela primeira vez o título de campeão europeu. Mas peraí! Primeira? Como assim, se o Atlético de Madri já venceu a extinta Copa Intercontinental (antes de virar Copa Jipe), copa essa que parte da população brasileira (e apenas eles, dentre mais de 6 bilhões de habitantes no planeta) insiste em chamar de mundial? Quer dizer que dava pra ganhar o tal amistoso de luxo sem antes vencer o campeonato em seu continente? E isso não era pré-requisito indispensável para que alguém possa se auto proclamar campeão mundial? Fiquei confuso. Por favor, façam essa pergunta a seus amigos bambis e me ajudem a resolver esse enigma.

8 comentários :

  1. Estou mais confiante João Luis !!! E olha que quem está escrevendo é o César !!! A luta pelo 66% de aproveitamento (1 ponto fora e 3 casa) vem sendo muito bem realizada com 4 pontos em 2 jogos fora e 03 em casa. Temos São Paulo novamente com problemas jogando em Barueri e deveremos jogar pelo empate mas com possibilidades de mais 3 pontinhos. Depois o jogo do século (Timão X Figueira na inauguração oficial do maior estádio em emoção do Brasil). e mais 2 jogos em casa e um fora (Sport) até a copa. Dificilmente não seremos lideres ou vice lideres e aí vem Elias e se nossa diretoria tiver uma pouco mais de coragem talvez mais um reforço (O barriga prometeu). É um ótimo começo sim, mas cautela e forçar o erro do adversário quando jogarmos fora buscando no minimo 01 ponto e gás total em casa é prudente e Inteligente. Variar a agressividade respeitando os limites do time e as vantagens da situação gera bons frutos. Estamos com uma defesa boa novamente, só que chegamos com mais peças na área do que na era Tite (geralmente com 4 ou 5 atacantes disputando a bola próximo a área do adversário) (Nos últimos jogos com Tite, tínhamos 1, 2 e raramente 3 jogadores chegando para definir os cruzamentos). Isso quando jogamos fora e nos erros do adversário que já é uma evolução substancial. Os chutes fora da área aumentaram em intensidade e qualidade e a marcação exporadica na saída de bola adversária voltou a surtir efeito. Por hora estou gostando do vejo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo César, o futebol pode nao estar vistoso, mas o time tem jogado com inteligencia, e parece bem consciente da importância de somar pontos nessa primeira "perna" do campeonato. Voltando da pausa da Copa entre os quatro, certeza que o Timao briga pelo titulo até o fim.

      Excluir
    2. "E olha que quem está escrevendo é o César !!!"

      Hahahaha, ótima!!!

      Excluir
  2. Pois é João Luis.... 1)esta liderança provisória não empolga muito se a gente levar em conta que o Flamengo estava pra lá de desfalcado (digo isso sem saber qual é o time titular dele!) e que a Chapecoense não é lá essas coisas. Mas, como sempre eu vou apelar para o "misticismo" em 2011 poucos acreditavam no Timão, apesar de vencer na largada adversários tidos como superiores. 2) Domingo, o Danilo falou sobre este acertar da defesa, colocou-o como fundamental para o sucesso da equipe. Desculpe-me voltar no tema, mas o time de 2011 a meados de 2013 era um time que se preocupava bastante com a defesa sem abrir mão do ataque. O Mano quis um ataque com menos obrigação de marcar. Só que me parece que ele se esqueceu de que o esquema do Adenor era total. Palavras do Paulo André: "somos um time no qual todos atacam e todos defendem" Tais palavras naquele cenário sem vitórias e de poucos gols soaram com ridículas, mas em outros tempos... E é preciso levar em conta também, que o Mano praticamente contava com uma nova defesa: Alessandro aposentado, Paulo André se mandou, Fábio Santos machucado. 3) Minhas esperanças estão na volta do bom futebol de alguns jogadores - o Guerrero, o Danilo (apesar da idade)- na afirmação de outros -Petros- na cura definitiva do Renato Augusto (se acontecer, será um milagre de São Jorge), na estréia do Elias (tomara que reedite o futebol da primeira passagem), na explosão de um Zé Paulo ou de um Malcon, e no fato de Luciano e Jadson mostrarem que a primeira impressão não foi equivocada. 4) O Atlético de Madrid é a prova de que não precisava ganhar o continente para disputar aquele amistoso de luxo. Em 2000 ou 2001, o time do México (o Cruz Azul) só não foi campeão porque foi roubado na final diante do Boca (este aí tem força nos bastidores). Eu acho que foi pra evitar esta sua pergunta. Lembrando que time mexicano disputa, mas mesmo que vença não viaja pra Tóquio!
    (Múcio Rodolfo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe o que é pior, Múcio? O Atlético não foi o único time a ganhar ou disputar a Copa Intercontinental sem ter vencido o campeonato europeu. Na década de 70 os times ingleses que venciam a Copa dos Campeões não se davam nem ao trabalho nem de procurar um espaço na agenda pra enfrentar os sulamericanos.

      Excluir
    2. E bem observado, o inicio da campanha desse ano tá com a mesma cara de 2011...

      Excluir
  3. Selecionabilidade: já imaginaram o Tite comandando a Seleção Italiana? Viraria ídolo fácil, creio eu.

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos ao Coringão serão DEMOCRATICAMENTE excluídos, sem exceção. Noves fora, a palavra é sua.